domingo, 5 de fevereiro de 2017

Mais uma missão contra o tráfico de drogas!

Informação passada pela inteligência: traficantes vão fazer uma entrega numa fazenda X, de 40 quilos de cocaína/ pasta base. Objetivo da missão: Interceptar a droga e o comprador com o dinheiro, carro e tudo que puder mais. Busca e apreensão caso dê o flagrante.

E foi assim que começou uma das missões mais legais que já participei. Foram divididas uma equipe de vigilância e uma equipe de assalto. Eu fiquei com um dos rádios da equipe de vigilância.

Chegamos de carro a alguns quilômetros do local onde os compradores iriam buscar a droga. O restante iríamos a pé pelo meio do mato. Estava chuviscando. Isso é ruim pela sensação de ficar todo o tempo molhado. Mas é bom para chegarmos mais perto do alvo sem sermos notados, já que o mato molhado não estala e o barulho da chuva confunde quem tenta ouvir alguém se aproximando.

O local era uma fazenda no meio do nada. Cercada de mato e estrada de terra. Tinha uma casinha pequena no lugar, onde se acreditava estar o vendedor da droga e a droga. A inteligência nos passava pelo rádio as ligações em tempo real feitas pelo comprador com o vendedor.

O rádio também servia para comunicar com a equipe de assalto e avisá-los quando seria a hora de agir. Porém, chegamos de tardezinha no local. Ainda muito iluminado para chegarmos perto. A equipe de vigilância tentaria chegar o mais perto possível. Perto o suficiente para tentar ouvir a conversa dos traficantes. Para isso teríamos que aguardar a noite cair. E assim fizemos. Avisei no rádio: pessoal, não tem como chegar mais perto de dia. Vamos aguardar a noite para aproximar bem. Tivemos que esperar uns 40 minutos.

Ao cair da noite, começamos a nos mover novamente. Rastejando no mato alto, com todo o cuidado. O rádio ia no volume mínimo para que não fôssemos descobertos. Até a luz piscante do rádio eu tinha que tampar com o dedo para não nos denunciar.

Atravessamos um ramal (pequena estrada de barro) com todo cuidado, pois ali poderiam nos ver fácil, já que estaríamos momentaneamente sem a proteção do mato. Chegamos perto da cerca da fazenda, bem próximo a casinha. Podíamos ouvir as ligações do traficante com o comprador, que depois nos era passada pela inteligência. Mas ouvíamos em primeira mão, antes da inteligência nos passar, e começamos a manter a equipe de assalto atualizada.

Nessa hora temos que segurar a ansiedade, pois poderíamos perder tudo caso fôssemos precipitados. Tínhamos que esperar a droga e o comprador estarem juntos com os traficantes.

Nós estávamos parados bem perto de uma estrada a qual nem eu nem a equipe tínhamos visto. E foi um vacilo que quase nos custou a missão. Num certo momento o traficante mandou o outro pegar alguma coisa no fundo da fazenda. Chamá-lo-ei de Bilu. Bilu foi buscar algo e saiu caminhando na nossa direção. Foi quando eu percebi o quão próximo dessa estrada nós estávamos. Porque ele veio quase pisar na gente. Abaixamos as cabeças e torcemos para que ele não nos visse. Passou a menos de 1 metro de distância. Coração batendo na garganta. Bilu foi e voltou, mas não nos viu! Essa foi por pouco. Por muito pouco.

De repente começamos a ouvir barulho de carros se aproximando. Era a compradora. Chegou fazendo muito barulho, podíamos ouvir claramente o que ela queria: A cocaína. Nessa hora a equipe de assalto falou no rádio: vamos entrar! Pude perceber que eles também estavam bem próximos e ouviram a conversa, ou ela falou alto demais.

Eu falei pra equipe: segura, não sabemos se o traficante já pegou a droga escondida. Eles me escutaram e seguraram. Até que o traficante anunciou que estava com a cocaína em mãos, e perguntou para a compradora: - cadê o dinheiro? A compradora foi buscar no carro. E, nessa hora, antes mesmo da equipe de vigilância gritar para atacar, a equipe de assalto saiu do mato gritando: Polícia Federal, ninguém se mexe!

Pegamos a droga, o dinheiro, e recebemos muitos parabéns dos professores que estavam coordenando o exercício. Porque na ANP você também pratica como se fosse real. E foi bom demais. E percebemos que é muito mais tempo de preparação que de ação.

ps.: Sugestão de textos são sempre bem vindas.

22 comentários:

  1. Fala, moleque Zika. No começo do texto eu fiquei pensando: "será que é treinamento?" Daí ele foi se desenrolando e, porra, ficou tão bom que só vim descobrir que era treinamento na final do texto. Tava aqui com o coração na garganta também. Hahahaha

    Sugestão de texto: o dia-a-dia na ANP, desde de como são as aulas (se puder nos falar), até como são os dias de descanso. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa ideia. Vou fazer um texto sobre o dia a dia da ANP!! :)

      Excluir
  2. Muito bom. Continue postando, você não faz ideia de como seus posts são importantes e motivacionais para quem ainda está na luta!

    Passei na prova de Agente 2014 mas, por um problema no joelho, acabei reprovando no salto do TAF. Muita tristeza e decepção, mas com o problema já resolvido continuamos em busca do sonho!

    Abs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É só prosseguir nos estudos que tudo volta para os eixos e logo você fará parte da firma :)

      Excluir
  3. cara, gostei muito do seu blog ! dou uma olhada de vez em quando no seu blog para ver se tem algo novo... tem como você falar um pouco sobre os pontos negativos ? pois nada é mil maravilhas e ver os pontos fortes da pf é fácil, mas quais as dificuldades ? como é relaçao dos agentes com os delegados ? vejo muito agente reclamando do trabalho devido alguns delegados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, eu estou a pouco tempo para ver muitas dificuldades. Realmente essa relação com o delegado nem sempre é boa. Mas eu levo de boa. Já sabia que era assim antes de entrar. A grande verdade é que eles precisam da gente e a gente depende deles. Então eu trato todos com respeito, por mais que eu odeie. Mas ainda não aconteceu de eu odiar. hahahaa

      Excluir
  4. Os GPIs e o COT são formados apenas por um grupo de agente/escrivão da PF ou há um delegado responsável ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tens interesse em participar do COT ? parece-me que é bem difícil conciliar família e trabalho para quem trabalha lá, mas é um trabalho do sonho de toda pessoa que ama a atividade operacional

      Excluir
    2. Atualmente não tenho não. Mas existem os grupos de pronta intervenção, chamados GPIs. Nesses sim. O COT tem que morar em Brasília e o curso é pra doido! haahahaha

      Excluir
    3. kk seu blog é incrível, conte-nos mais ...

      Excluir
  5. APF do Norte , como foi sua experiência na PRF ? claro que é um trabalho de polícia ostensiva, então vc mexe com tudo, mas os crimes em sua maioria são voltados à area de trânsito ?
    Lembro-me que você citou que gosta mais do trabalho da PF, tem como se prolongar e esclarecer mais quanto a isso ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque a PRF é BR né. Missão é em BR. Sempre. É a vida da PRF. Mas os crimes são todos. Inclusive os de trânsito. Depende muito da região. A PRF é a polícia que mais apreende droga no Brasil.
      Na PF a diversidade de trabalho é muito maior, além disso, tem a parte investigativa.

      Excluir
  6. Amigo, não fica tanto tempo sem postar não que eu fico triste hehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito trabalho por aqui.
      Prometo que vou tentar ser mais assíduo no blog.
      :)
      Valeu pela força!!

      Excluir
  7. Olá APF do Norte,

    Que texto massa, cara... Não consegui parar de ler. Imagina o dia que rolar mesmo uma experiência dessas na real.

    : )

    Tenho uma pergunta: na PRF é mais fácil responder a um PAD ou é impressão minha?

    Até mais, novinho do Norte.

    ; )

    ResponderExcluir
  8. Novinha!!
    Fico lisonjeado de receber um elogio seu!
    Eu acho que é mais fácil na PRF porque tem mais gente reclamando de você. Ninguém gosta de tomar uma canetada, né? Por isso eu usava sempre uma câmera comigo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Olha só!

    Era bem o que eu imaginava, viu?

    Tenho bons amigos na PRF e na PF também... hehehe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fico feliz de vc ter ido na minha formatura. Você foi na solenidade na ANP tbm? Deve ter me visto chorando igual a um bebê!

      Excluir
  10. Vish...

    O "novinho" sumiu...

    Tá tudo bem por aí???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahhaha
      Tá sim.
      Estou sem inspiração ultimamente, nova.
      Uns acontecimentos na delegacia que tão me deixando desanimado, viu!

      Excluir
  11. Vai passar...

    Eles passarão, você passarinho.

    : )

    ResponderExcluir

Manda bala!